jornal influente

Tuesday, June 06, 2006

FEIRA DE ARTESANATO DE BELO HORIZONTE



A Feira HIPPYE de Belo Horizonte como é chamada na intimidade, surgiu em1969, na Praça da Liberdade. Idealizada por um grupo de artistas mineiros , a feira logo se tornou um ponto de encontro de várias gerações e despertou a atenção dos turistas para a diversidade dos trabalhos expostos.

Com o grande aumento de expositores extrapolando os limites da praça, a feira foi transferida para a Avenida Afonso Pena em 1991.

Hoje são aproximadamente cerca de três mil expositores, com grande variedades de produtos.
São encontrado na feira além de artesanato, roupas, bijuterias ,moveis decorativos..., além das pedras preciosa, que marcam a historia e cultura do Estado.

O artesanato mineiro também aparece como ponto forte e ocupa vários espaços na cidade, de feiras populares a shopping-centers.

A Feira HIPPYE acontece aos domingos , pela manhã , com grande qualidade e preço, oferecendo a todos boas oportunidades de boas compras.

Ronaldo Thyago.

Volta
Foto Site: Belotur.

Thursday, June 01, 2006

Capoeira, mistura de ginga, malícia e muita beleza nos movimentos.

Por Ronaldo Thyago.

A capoeira é dança, jogo e luta. Tudo isso ao mesmo tempo. Por isso é tão complexa, tão rica e tão surpreendente. Luta dissimulada, disfarçada em brinquedo, jogo de habilidade física, beleza e muita malícia.

A capoeira é uma manifestação da cultura popular brasileira que reúne características bem peculiares: mista de luta, jogo, dança, praticada ao som de instrumentos musicais (berimbau, pandeiro e atabaque), palmas e cânticos. É um excepcional sistema de auto defesa e treinamento físico, destacando-se entre as modalidades desportivas por ser a única originalmente brasileira e fundamentada em nossas tradições culturais. Acreditamos que a capoeira veio da África, mas alguns estudiosos dizem, que foi criada no Brasil pelos escravos na sua luta pela liberdade.

O que se sabe é que na África existia uma dança que era praticada com bastante violência. Esse jogo fazia parte de um ritual de passagem da infância para a vida adulta, onde os negros lutavam em um pequeno recinto e os vencedores poderiam desposar as meninas da tribo.

Os negros vindos para o Brasil eram de todas as partes da África. Principalmente de Angola, onde os negros Bantos, diziam-se mais fortes e ágeis, por isto teriam mais aproveitamento no trabalho. Esses negros deram origem à capoeira, daí o nome Capoeira de Angola.

Candomblé deixa de ser um culto exclusivo de grupos negros e passa a ser uma religião de muitos brasileiros.


Por Ronaldo Thyago.

O Candomblé e as demais religiões afro –brasileiras, formaram-se em diversas áreas do brasil com diferentes ritos e nomes .

Desde o início as religiões afro-brasileiras formaram-se em sincretismo com o catolicismo, e em grau menor com a s religiões indígenas. O culto católico aos santos, numa dimensão popular, ajustou- se ao culto dos africanos. A umbanda espalhou-se por todas as regiões do pais, sem limites de classe, raça, cor , de modo que todo o país passou a conhecer.

O Candomblé era caracterizada uma religião exclusiva dos grupos negros, descendentes de escravos. Mas já espalhou por todos os lugares e grupos , como9 acontecera com a umbanda, deixando de ser exclusiva do segmento negro , passando a ser uma religião para todos .

O candomblé encontrou condições sociais, econômicas e culturais muito favoráveis para o seu renascimento num território novo, em que a presença de instituições de origem negra até então pouco contavam.
Novos terreiros de orixás foram se criando, podiam ser encontrados pobres de todas as origens étnicas e raciais. Eles se interessavam pelo o candomblé, e assim os terreiros cresceram às centenas.

dança cigana

DANÇA CIGANA

Desde criança os ciganos ouvem e dançam as seguidillas, a rumba, as alegrias e o flamenco - ritmos e sons tradicionais - produzidos pelas guitarras, violinos, violões, acordeões, címbalos, castanholas, pandeiros, palmas das mãos e batidas dos pés, que aprendem desde cedo com parentes e amigos nas festas em acampamento.
Não existem ciganos profissionalizados através da dança cigana e sim aqueles que fazem apresentações apenas para divulgar esse lado tão belo e cheio de magia dessa tradição que a todos fascina.
A dança cigana não é portanto, encarada como um ofício pelos ciganos. São representadas por profissionais de balé não-ciganos. Ciganos não freqüentam academias nem aulas de dança, pois quando dançam, o fazem com a alma, o coração e os movimentos naturais do corpo, sem nenhuma coreografia pré-concebida.
Marcar uma coreografia, para o cigano, é prende-lo; é não dar liberdade para os seus movimentos. Por outro se a colocassem dentro de uma coreografia, com certeza, cortariam grande parte da emoção espontânea e do inestimável encanto que ela nos transmite quando dança com toda a sua desenvoltura, arte e beleza.
A história da dança oriental está intimamente ligada à história dos ciganos. Eles vieram da Índia e emigraram até a Espanha. Por todos os países que passavam, assimilavam palavras de idiomas locais. Em cada país eram chamados por outros nomes.

O povo cigano era orgulhosos por manter suas tradições. Eram muito individualistas e leais à instituição familiar.