jornal influente

Monday, May 29, 2006

CULTURA DO BALLET



A dança é a mais antiga das artes criadas pelo homem. Nas pinturas das cavernas pré-históricas, podemos ver a tentativa dos primeiros artistas de mostrar o homem primitivo dançando instintivamente, usando seus movimentos e gestos para agradar vitórias, celebrar alguma festa, enfim, o homem dançava em cada manifestação de vida.


A dança, como arte de divertir, surgiu com o teatro grego que incluía o canto e a pantomima nos seus espetáculos dançados: os gregos foram os primeiros a usar a dança e os gestos para explicar as partes complicadas das histórias contada. Os antigos romanos combinavam música e dança com acrobacias e números de circo para ilustrar fábulas populares.


Não só na Grécia e em Roma, mas também no Egito antigo a dança foi desde muito cedo a maneira de celebrar os deuses, de divertir o povo e a partir desse ritual se desenvolveram os elementos básicos para arte teatral atual.
O ballet- clássico é o desenvolvimento e a transformação dessa dança primitiva, que baseava-se no instinto, para uma dança formada de passos diferentes, de ligações, de gestos de figuras previamente elaborados para um ou mais participantes.


A história do ballet começou há 500 anos atrás na Itália. Nessa época os nobres italianos divertiam seus ilustres visitantes com espetáculos de poesia, música, mímica e dança. Esses divertimentos apresentados pelos cortesãos eram famosos por seus ricos trajes e cenários muitas vezes desenhados por artista célebre como Leonardo da Vinci. O primeiro ballet registrado aconteceu em 1489, comemorando o casamento do Duque de Milão com Isabel de Árgon.


Os ballets da corte possuíam graciosos movimentos de cabeça, braços e tronco e pequenos e delicados movimentos de pernas e pés, estes dificultados pelo vestuário feito com material e ornamentos pesados.
Era importante que os membros da corte dançassem bem e, por isso, surgiram os professores de dança que viajavam por vários lugares ensinando danças para todas as ocasiões como: casamento, vitórias em guerra, alianças políticas, etc.

Quando a italiana Catarina de Medicis casou com o rei Henrique II e se tornou rainha da França, introduziu esse tipo de espetáculo na corte francesa, com grande sucesso.O mais belo e famoso espetáculo oferecido na corte desses reis foi o "Ballet Cômico da Rainha", em 1581, para celebrar o casamento da irmã de Catarina.

Esse ballet durava de 5 a 6 horas e fez com que rainha fosse invejada por todas as outras casas reais européias, além de ter uma grande influência na formação de outros conjuntos de dança em todo o mundo.


O ballet tornou-se uma regularidade na corte francesa que cada vez mais o aprimorava em ocasiões especiais, combinando dança com música, canções e poesia e atinge ao auge de sua popularidade quase 100 anos mais tarde através do rei Luiz XIV. volta




Reportagem: Ronaldo Thyago
Fotos:
Matéria: On Line

DANÇA ÁRABE



As variadas formas de danças populares tradicionais que sobrevivem isoladamente nas diversas regiões do país transcendem o universo estético da inquietação criativa contemporânea, detendo funções sociais específicas imbricadas nas comunidades que as produzem.
Dança do Ventre Tradicional e Danças Folclóricas Árabes


Dança oriental proposta é a Dança do Leste (Racks el Charks, em árabe), popularmente conhecida como a dança do ventre - tradução de Belly Dance, nome dado pelos estúdios hollywoodianos, o qual não se adequar muito bem, pois os movimentos executados na dança não se restringem à área do ventre.


É uma dança, que, quando bem executada, proporciona um espetáculo belo devido a graciosidade dos movimentos, leveza dos gestos, a música exótica e aos trajes suntuosos.

Surgida no Antigo Egito, era no princípio praticada pelas sacerdotisas para reverenciar algumas deusas ( Íris e Bath) em rituais ligados a fertilidade. Posteriormente a Dança do Ventre popularizou-se e foi levada para os palácios e haréns perdendo assim um pouco do seu caráter sagrado. A tradição desta dança mística é mantida até hoje, principalmente entre os povos de origem árabe, sendo realizadas em ocasiões festivas. volta




Reportagem: Ronaldo Thyago
Foto: Site
Matéria: On Line

Tuesday, May 02, 2006

DANÇA AFRO


Dança ritmada nos toques de atabaque, coreografada com movimentos de expressão corporal, inspirados nas tribos africanas que migraram pro Brasil. Descalços, roupas coloridas e muitos adornos. Movimentos elásticos do tronco, flexões e extensões acentuadas como felinos. Saltos leves, quase alados. Muita coordenação motora e rítmica, expressão de corpo e rosto. Como guerreiros prontos para o ataque, prontos para a dança.

Tumbadoras, atabaques, bongôs, chiquerês, são alguns dos instrumentos usados para dar ritmo aos movimentos. A dança se mostra em sua manifestação primeira: a da alegria, do prazer, da comunicação com o divino que surge naturalmente por intermédio da magia do som da dança do coração afro.
A dança AFRO resulta da junção de dois estilos de Danças:A energia dos movimentos fortes do AFRO, unida à flexibilidade e ao swing do JAZZ contemporâneo. Utiliza, sobretudo as pernas e o tronco, passa mensagens com os braços e as mãos.

A dança se apresenta como uma maneira eficiente de atingir nossos ideais na medida em que a gestualidade atua como importante marcador da cultura, ou seja, através da linguagem do corpo, que movimenta código densos de significados, acessamos’ símbolos culturais. volta